Estados e municípios rejeitam diretrizes do Ministério da Saúde sobre quarentena

Estados e municípios rejeitam diretrizes do Ministério da Saúde sobre quarentena

Foto: José Dias/PR

Representados pelos conselhos de saúde, Estados e municípios rejeitaram a nova diretriz sobre distanciamento social proposta pelo Ministério da Saúde. A decisão foi tomada pelo Conselho Nacional de Secretários de saúde (Conass) e pelo Conselho nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems).
De acordo com representantes ouvidos pelo Estadão, o argumento mais forte para rejeitar as medidas é que seria inoportuno lançá-las em meio ao aumento de casos e mortes pela doença. O risco é causar dubiedade sobre a mensagem de isolamento social, ou seja, incentivar a população a sair de casa, disseram estes gestores.
“Enquanto estivermos empilhando corpos, não tenho como discutir isso”, afirmou Alberto beltrame, presidente do Conasss.
Sem consenso com os conselhos, a diretriz apontada por Nelson Teiche não pode ser publicada como portaria.
A nova “matriz de risco” era carro-chefe da gestão Teich e promessa levada pelo médico a Jair Bolsonaro ao candidatar-se ao cargo de ministro da Saúde. Teich chegou a afirmar, em vídeo publicado nas redes sociais, em 20 de abril, que já estava em elaboração um “plano” para “revisão do distanciamento social” no País.
A proposta de Teich levanta uma série de dados, como capacidade de atendimento, ocupação de leitos, e número de casos e óbitos. Cada item teria uma pontuação. Somados, mostrariam em que situação está cada local e qual intervenção é sugerida, como isolamento controlado ou até lockdown.
Os Estados e municípios não seriam obrigados a seguir a regra, mas gestores locais escutados pela reportagem temem que as diretrizes virem arma para discurso contrário ao isolamento.

As informações são do Bahia Noticias

Da redação capimgrosso.com.br

Comments

Comentários no Facebook

shared on wplocker.com