“Pilatos foi mais coerente ao condenar Jesus que Sérgio Mouro na condenação de Lula” disse padre durante missa em Canudos 

“Pilatos foi mais coerente ao condenar Jesus que Sérgio Mouro na condenação de Lula” disse padre durante missa em Canudos

Muito conhecido pelas lutas em defesa das comunidades de base, da agricultura familiar e das políticas públicas, padre Alberto utiliza de uma linguagem simples e típica do sertão, alem de musicas gravadas por Luiz Gonzaga, durante as celebrações da missa.

Por Raimundo Mascarenhas

Na última sexta-feira, dia 14/12, durante a celebração da missa de despedida da comunidade de Juá, distante 60 km da cidade de Canudos, município localizado no território Sertão do São Francisco, o padre José Alberto Barbosa Gonçalves, durante a homilia disse aos féis que Pôncio Pilatos, que condenou Jesus à morte na cruz, foi mais coerente que o juiz Sérgio Mouro, que condenou Lula a prisão. “Não quero comparar Lula com Jesus, acho que Pilatos foi mais coerente que juiz Sérgio Mouro”, afirmou padre Alberto.

Ele lembrou que a vida das pessoas, em especial no sertão, onde ele convive, melhorou depois das políticas publicas implantas pelo governo de Lula e citou o exemplo da última seca; “Hoje estamos vivendo um bom tempo, apesar de chover em um dia aquela chuva que prevíamos para um mês. Antes passamos por uma grande seca e só não morreu gente por causa da presença das ações de políticas publicas a exemplo das cisternas que em algumas delas ainda tinha água armazenadas.

 

Ele disse que o povo sertanejo não quer esmola e defendeu a bolsa família com fonte geradora de renda na região. “Ela tem ajudado as famílias carentes, amenizado o sofrimento das pessoas e a circulação deste dinheiro tem ajudado o comércio garantindo alguns empregos”, falou padre Alberto. “O programa de convivência com a seca ajudou muito ao povo e por causa disso não morreu gente nesta seca que vivenciamos”, continuou.

Natural de Uauá, padre Alberto, como é chamado, foi ordenado em 2001 no seminário em João Pessoa e está na paróquia de Canudos há seis anos, depois de atuar com vigário no município de Glória, cidade atingida pelas barragens de Moxotó e Itaparica, e na periferia de Paulo Afonso.

 

Muito conhecido pelas lutas em defesa das comunidades de base, da agricultura familiar e das políticas públicas, padre Alberto utiliza de uma linguagem simples e típica do sertão, alem de musicas gravadas por Luiz Gonzaga, durante as celebrações da missa.

Ao falar para os fiéis que lotavam a pequena capela da Nossa Senhora de Fátima, olhando para o crucifico fixado atrás do altar, falou que naquela época e está escrito em no evangelho de Marcos, 14, 55/59, que os sumo-sacerdotes procuraram testemunhas contra Jesus para poderem condená-lo à morte, mas não conseguiram encontrar nenhuma e, por isso, arranjaram falsos testemunhos que, contudo, se contradisseram e as respostas de Jesus, quando questionado suas respostas provocava fúria ao sumo-sacerdote. Posteriormente, na corte de Pilatos, os anciãos judeus pedem a Pôncio Pilatos que julgue e condene Jesus, acusando-o de alegar ser o rei dos judeus.

 

Ele permanecerá na Paróquia de Canudos até o dia 06 de janeiro e até lá percorrerá as comunidades rurais celebrando as missas de gratidão pelo trabalho realizado nestes seis anos. Em Juá, padre Alberto lembrou a construção da capela e nas campanhas para arrecadar recursos através nos movimentos com venda de pasteis, doces, bingos e com a união do povo está pronta.

“Muitas coisas boas aconteceram aqui (Juá) e dentre elas vocês fizeram “parir” Gerson vereador com representante e morador na comunidade”, lembrou o padre. “O povo sertanejo é um povo sincero”, concluiu.

 

Gilberto Lira dos Santos, mais conhecido com Gerson da Várzea Cumprida, foi eleito vereador pelo PCdoB na eleição de 2016 com 424 votos, e vem realizado um trabalho no sentido de fazer chegar à região as políticas públicas defendida pelo padre e segundo o edil, os desafios de universalizar a implantação da energia elétrica, construção de sistemas de água, perfuração de poços artesianos e aquisição de um veículo para atender ao setor de saúde, pois atualmente quando alguém necessita deste serviço a forma é apelar para os vizinhos que têm este meio de transporte ou para o vereador.

Outro ponto que preocupa o vereador é a questão das estradas. “Aqui a gente reza pra chover e quando chove a gente reza pra não adoecer”, concluiu o vereador ao citar a urgente necessidade da recuperação das vias vicinais que ligam a comunidade BR 116/Norte.

As informações são do Calila Noticias