Primeiro caso de glaucoma congênito decorrente de zika é identificado em bebê de Salvador

Primeiro caso de glaucoma congênito decorrente de zika é identificado em bebê de Salvador

Essa é a primeira vez que é descrita a presença de glaucoma congênito em um bebê com comprovada infecção pelo zika vírus.

aedes_aegypti_during_blood_meal

(Foto: Reprodução/ EBC)

 

O oftalmologista do Hospital Geral Roberto Santos, Bruno de Paula Freitas, publicou um estudo sobre glaucoma congênito na revista científica Ophthalmology na última terça-feira (29), após um bebê de três meses de idade, nascido em Salvador, com Zika Vírus, apresentar a doença.

De acordo com o médico em matéria do R7, essa é a primeira vez que é descrita a presença de glaucoma congênito em um bebê com comprovada infecção pelo Zika vírus. A doença, apesar de rara, é grave, pois pode levar à cegueira permanente. O bebê também era portador de microcefalia, além de apresentar aumento do globo ocular direito, sensibilidade à luz, lacrimejamento persistente e irritabilidade constante.

– A criança apresentava microcefalia, alterações dos membros inferiores, além de outras alterações cerebrais, como o desenvolvimento incompleto do corpo caloso e lisencefalia, também conhecido por ‘cérebro liso’, devido à falta de sulcos e reentrâncias que observamos em um cérebro normal.

Bruno de Paula contou com a parceria de pesquisadores da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo); da Universidade de Yale, nos Estados Unidos; e dos laboratórios da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) e do IEC (Instituto Evandro Chagas).

Fonte/ Varela Noticias