Bebê baleado na barriga da mãe está paraplégico, afirma laudo médico

Bebê baleado na barriga da mãe está paraplégico, afirma laudo médico

Relatório aponta presença de fragmentos ósseos na medula do bebê; mãe tem quadro estável, mas estado do bebê é grave

Bebê foi atingido por bala perdida na sexta-feira, em Duque de Caxias, no Rio (Reprodução | TV Globo)

O bebê de Claudinéia dos Santos Melo, que estava grávida de nove meses e foi atingida por uma bala perdida no fim da tarde de sexta-feira (30), em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, ficou paraplégico. A criança veio ao mundo numa cesariana de emergência e permanece internada no Centro de Tratamento e Terapia Intensiva (CTI), segundo informações do Hospital Moacyr do Carmo divulgadas à imprensa.

O laudo médico relata a presença de fragmentos ósseos na medula do bebê. “Esta criança tem uma lesão nas vértebras torácicas T3 e T4. Está com uma paraplegia de membros inferiores. E também nós estamos resguardando este prognóstico nas primeiras horas, na primeira semana, no primeiro mês, tudo pode acontecer”, disse o secretario de saúde de Duque de Caxias, José Carlos Oliveira, que é médico ginecologista e está acompanhando o caso.

O secretario, que está acompanhando o caso de Claudinéia, falou sobre as vítimas. “O quadro de saúde da mãe é grave. Ela está no CTI e está sendo acompanhada pela equipe do Hospital Moacyr do Carmo. A criança foi transferida para o Hospital Adão Pereira Nunes onde, por volta de 3h, 4h foi trocado o dreno do tórax. O quadro do bebê é gravíssimo”, explicou o secretário.

Até o fechamento desta reportagem, nem o Hospital Adão Pereira Nunes nem o Hospital Moacyr do Carmo informaram sobre o estado de saúde da mãe e do bebê na manhã deste domingo (02). No sábado (1º), o bebê passou por exames radiológicos e por uma drenagem dos pulmões.

Entenda o caso

Moradora há um ano e meio da Favela do Lixão, Claudinéia dos Santos Melo, grávida de 39 semanas, estava indo ao mercado quando foi atingida por uma bala na pelve. O bebê teve lesão grave no tórax, fratura de clavícula, traumatismo craniano e em parte da orelha, de acordo com boletim da Secretaria de Saúde de Duque de Caxias.

Lúcida, Claudinéia foi levada ao Hospital Moacyr do Carmo e encaminhada para o centro cirúrgico, onde os médicos fizeram o parto. Logo após nascer, a criança foi entubada, levada para a Unidade de Tratamento e Terapia Intensiva (UTI) e diagnosticada com pneumotórax bilateral. Depois de novos exames, os médicos identificaram fragmentos ósseos no canal medular dorsal.

Depois do primeiro atendimento, o bebê foi levado para o Hospital Adão Pereira Nunes, em Saracuruna, também na Baixada, para ser acompanhado por uma equipe de neurologia e outras especialidades. A criança ainda encontra-se em estado grave.

Os agentes da Unidade estão procurando possíveis testemunhas e imagens de câmeras de segurança que possam ajudar na apuração dos fatos e demais diligências.

De acordo com os relatos dos policiais militares do 15º BPM (Duque de Caxias), no momento em que a mulher foi atingida, havia uma operação na favela. Os agentes contam, em depoimento, que estavam numa viatura na Rua Frei Fidélis, um dos acessos à Favela do Lixão, quando traficantes dispararam em direção aos militares. Segundo os policiais, em conseqüência desses disparos, Claudinéia foi atingida por estilhaços na coxa esquerda. Os policiais afirmaram não ter reagido ao ataque.

As informações são do Varela Noticias