Investigado por elo com PCC, prefeito eleito de Embu é alvo de mandado de prisão

Investigado por elo com PCC, prefeito eleito de Embu é alvo de mandado de prisão

ney-santos-prb-foi-eleito-prefeito-de-embu-das-artes-na-grande-sao-paulo-o-politico-ja-foi-investigado-por-envolvimento-com-a-faccao-criminosa-pcc-1475510428372_615x300

Ney Santos foi eleito prefeito de Embu das Artes com quase 80% dos votos válidos

Prefeito eleito de Embu das Artes, cidade da Grande São Paulo, o vereador NeySantos (PRB) é alvo de mandado de prisão preventiva na primeira fase Operação Xibalba. Acusado por tráfico de drogas, lavagem de dinheiro e ligação com o crime organizado, Santos teve a prisão determinada pela Justiça. Ele também é presidente da Câmara Municipal de Embu. Santos já ficou detido entre 2003 e 2006 por envolvimento com a facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital).

A operação, realizada nesta sexta-feira (9), mira uma organização criminosa voltada à prática do crime de lavagem de dinheiro proveniente do tráfico de drogas.

 

Ela seria atuante especialmente nas cidades de Embu das Artes, Osasco, Taboão da Serra, Carapicuíba, Cajamar e São Paulo, “instrumentalizada, em especial, através da constituição e administração de postos de combustíveis”, segundo o MP-SP (Ministério Público do Estado de São Paulo).

 

Foram expedidos 63 mandados judiciais, sendo 49 mandados de busca e apreensão e 14 mandados de prisão preventiva.

 

Atuam na operação 32 promotores de Justiça e 200 policiais da Corregedoria da Polícia Militar de São Paulo. Ao menos sete pessoas já teriam sido detidas, mas a informação ainda não é confirmada pelo MP.

 

O nome da operação, Xibalba, significa o submundo na mitologia maia.

O PRB informou, por e-mail, que “antes de se pronunciar, o PRB aguarda recebimento de comunicado oficial da Justiça sobre o pedido de prisão preventiva de Ney Santos, prefeito eleito em Embu das Artes, por parte do Ministério Público”.

Investigado

Em 2010, ele era candidato a deputado federal pelo PSC quando foi investigado pela Polícia Civil, que suspeitava que usava 15 postos de combustível, uma ONG e uma empresa para lavar dinheiro do crime organizado e financiar sua campanha.

Segundo policiais, Santos era conhecido como Nei Gordo no submundo do crime. Absolvido em segunda instância em 2006, ele acumulou patrimônio após a soltura, o que provocou suspeita das autoridades.

Em setembro, durante o primeiro turno das eleições municipais, o UOL procurou o gabinete de campanha do político, que disse que as acusações contra ele não foram provadas e são ataques dos adversários políticos. Santos foi eleito com 79,45% dos votos válidos em Embu das Artes.

Segundo na semana

Santos não é o único prefeito eleito em São Paulo que está na mira da Justiça. Na última terça-feira, o vereador Rogério Lins (PTN), prefeito eleito de Osasco, tornou-se foragido.

Ele é suspeito de integrar um esquema que desviou cerca de R$ 21 milhões da Câmara da cidade da região metropolitana de São Paulo com a contratação de funcionários fantasmas.

Por conta do escândalo, a cerimônia de diplomação do prefeito e dos vereadores eleitos, que seria realizada no anfiteatro do Unifieo no dia 16 de dezembro, foi cancelada por determinação da juíza Isabel Cristina Maceiros Ferreira, da 213ª Zona Eleitoral –a justificativa é que a manutenção do evento poderia gerar protestos violentos de manifestantes.

A diplomação dos candidatos eleitos, no entanto, está mantida e os parlamentares poderão retirar os diplomas na 213ª Zona Eleitoral a partir do dia 16      de dezembro.

Fonte/ Uol Noticias