Capim Grosso: Audiência Publica sobre serviços bancários

Audiência

Na noite desta quarta feira (18), aconteceu na sala das sessões da Câmara de Vereadores de Capim Grosso, sobre os serviços bancários da cidade, com a participação de representantes do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Sicoob Coopere. O Presidente do Legislativo Municipal, Professor  Ney, iniciou a reunião lamentando a ausência de boa parte da população que utiliza rádios para reclamarem e na hora do dialogo se ausentam. “O intuito da audiência não é somente levar reclamações e sim abrir o dialogo e melhorar os serviços”, disse.

Os representantes dos bancos fizeram um debate com os presentes e Valdenor Caetano Pereira, Gerente Geral da Caixa, disse que esta sempre a disposição para ouvir os anseios da população, e que a Caixa vem buscando padrões que estejam enquadrados dentro da legislação. Carlos Robério Lula, Gerente de Administração do Banco do Brasil, foi o mais questionado e disse que ira ouvir os clientes para fazer as melhorias necessárias. O banco ainda levou Leila de Araújo Pinho, Gerente de Relacionamentos da entidade. Caroline Reis Meneses, Gerente de Pessoa Jurídica da Caixa, disseque há uma participação muito forte desse setor em Capim Grosso e se coloca a disposição para melhorar o atendimento, “ estamos abertos ao dialogo”. O Advogado, Dr. Florisvaldo Gil de Souza, representou a Loja Maçônica Obreiros da Verdade e OAB Jacobina, falou que se trata de uma audiência de relevância enorme. Disse que segurança é dever do Estado, embora lamentavelmente hoje é dever de todos. Comentou que é lamentável sentar nas cadeiras do Banco do Brasil e passar mais de duas horas para ser atendido, sugerindo que fosse quatro caixas internos no BB e na Caixa e o auto atendimento também é precário, lembrando que houve um bom período as maquinas ficaram inoperantes. Jacira Souza , Gerente do Ponto de apoio do Sicoob, disse que pessoas tem medo de utilizar outras ferramentas e que é preciso educar a população para o uso, pois são confiáveis, sendo melhor para a população, como a internet por exemplo, com a população utilizando o interior da agencia para os casos mais necessários.

os Vereadores participaram ativamente das discussões, levando as cobranças dos usuários das agencias, onde Dr. Frank Neto comentou que estavam preocupados com o padrão do atendimento e o fator do debate seria a mudança de horário no atendimento. Comentou sobre os problemas de filas e que os comerciantes precisam ter um funcionário específicos para serviços bancários. “ A internet tem ajudado muito, porem ainda é pouco pela necessidade”, adiantou. Frank lembrou sobre a acessibilidade para pessoas com limitações físicas que precisa ser melhorada. Pediu mais caixas funcionais no auto-atendimento, pois os usuários de Banco não encontram dinheiro nos terminais. Manoel Fernandes lembrou que as pessoas cobram os direitos e não cumprem os deveres, pois as pessoas deveriam estar presentes na audiência. Bruno Vitor perguntou sobre a redução de horário de caixas de auto atendimento. Falou também da divulgação da parte dos bancos para o homem do campo, projetos e financiamentos. Disse acreditar que os gerentes tem feito reuniões, e precisa saber se tem como fazer projeto custeado pelos Bancos, com câmeras de monitoramento ligadas aos Distrito Integrado de Polícias. Vanderley Araujo falou sobre a falta de funcionários, e disse ter sido informado que uma pessoa estar cobrando pelo serviço no caixa de autoatendimento. Arivelton Mota explicou que todos os dias nas ruas e comércios e nos próprios bancos os vereadores são cobrados para buscarem essa melhoria, pediu reflexão dos gerentes em relação a redução no atendimento dos caixas de auto atendimento e que muitos comerciantes reclamam sobre o movimento de dinheiro levando a uma queda, principalmente naqueles que não tem maquinas de cartões de créditos. O legislador disse que quem trabalha não tem tempo de ir aos bancos, apenas a partir das 17:30 , porém este horário não estão funcionando. Samoel Moto Taxi pediu ao gerente do Banco do Brasil que não se surpreenda pelas cobranças, pois a população esta cobrando dos vereadores. Pediu que as situações que foram apresentadas pelos edis sejam resolvidas. Reclamou da demora da fila apenas para perguntar se chegou um cartão, sendo uma situação “chata”. Disse saber que não é fácil para o gerente administrar uma agência que esta sendo alvo de assaltos constantemente. Disse que as agencias podem tomar medidas, como proteções para quem vai fazer o saque, pois as saidinhas bancarias geralmente o elemento esta vendo os valores sacados. Apoiou a ideia da implantação das câmeras de segurança, principalmente na Avenida ACM. Vivaldo Moreira mencionou a necessidade de buscar reais melhorias para o atendimento das agências no município. Citou as frequentes ações violentas contra o Banco do Brasil, “eu penso que nós devemos buscar mais segurança para nossa cidade”, cobrando a colocação de câmeras de segurança em determinados locais.

A população também participou fazendo questionamentos aos bancários, e Irami Souza, (Mica) , externou sua opinião, agradecendo ao Banco do Brasil pela colocação de placas que separam o atendimento, impedindo que outras pessoas vejam o que se está fazendo no caixa. Questionou o atendimento à cadeirantes, que não existe em nenhuma das agências do município. Informou que apresentou abaixo-assinado no ano de 2007, pedindo a melhoria no sentido de acessibilidade, e que até hoje não viu resultados. Sobre os assaltos, disse ser culpa também das policias civil e militar, que deveriam intensificar as rondas. Cobrou a participação dos comerciantes do município. Outro questionamento feito pela população foi de qual critério Capim Grosso passou para receber mudanças nos atendimentos na agência do Banco do Brasil. A resposta segundo o gerente, Capim Grosso foi incluso pela quantidade de tentativas de assaltos ou arrombamentos. Ainda segundo ele, a lei não permite que o banco tenha seguranças fortemente armados no local, o único tipo permitido é de armas de pequeno porte. Carlos Robério ainda informou que o BB perdeu muitas agencias que foram explodidas por dinamite e que a redução do horário do funcionamento é para coibir as ações desses bandidos.

O Presidente da Câmara Professor  Ney finalizou com o encaminhamento de uma reunião para que se forme uma comissão que desenvolva o projeto de implantação de câmeras de monitoramento e outras providencias.

Woton Baiano da redação do capimgrosso.com.br

Fotos/Texto: Herick Rios

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *