Capim Grosso: Câmara de Vereadores discute melhorias das estradas vicinais e outros assuntos

12744550_1553302958330694_8625132436765585736_n   Nesta terça feira (29) na sessão da Câmara de Vereadores de Capim Grosso foram discutidos diversos assuntos para melhorar a qualidade de vida da população, entre os principais temas da pauta do dia foram as estradas vicinais da zona rural e a Regulação que transfere pessoas para hospitais de Salvador. Palavra do Presidente – Prof Ney, comentou sobre a emoção de ver a passagem da Via Sacra na ultima sexta feira (26) e a peregrinação em direção ao Morro Branco, na comunidade de Melancias. Cobrou novamente a instalação do WI-FI grátis nas praças da cidade, pedindo agilidade na implantação do projeto. Gilberto Alves agradeceu as comunidades que compareceram a Via Sacra até o Morro Branco, em especial ao Padre Xavier que foi o mentor do projeto. Disse que o povoado de Melancias receberá muitos visitantes todos os anos, e que merece uma pavimentação , praça e parque infantil. Também falou sobre as pessoas do Povoado do Peixe que também fizeram orações no período da Paixão de Cristo. Informou que o caminhão que atrapalhava a feira livre as segundas feiras, foi retirado do local mais cedo. Vanderley Araujo debateu sobre as necessidades de melhorias nas estradas vicinais de Capim Grosso, embora estejam com qualidade, sendo importante observar os pedidos dos vereadores que estão atendidos. Informou que o banheiro público do ginásio de esportes já esta com o espaço feminino sendo usado, restando apenas o masculino. Reforçou o pedido do Vereador Arivelton sobre a reforma da Praça do Povoado de Caiçara e aproveitou a oportunidade para requerer um banheiro e vestiário no campo de futebol do logradouro. Sobre a feira livre disse que os feirantes já estão colaborando para a organização. Falou que o Morro Branco recebeu uma programação muito bonita na Via Sacra. Vado Verdes Mares comentou sobre o falecimento do Pastor Zezinho e o quanto era querido na comunidade, tendo sentido isso os vereadores que estiveram presentes no velório, sendo uma perda muito lamentável. Comentou que a encenação da Paixão de Cristo foi muito forte e sentiu a dor das batidas dos pregos na mão do jovem que representou Jesus Cristo, chegando a se emocionar. Convidou a população para um encontro de capoeira que acontecerá no dia 09 de abril, na Câmara de Vereadores. Frank Neto comentou que o período de chuva trouxe transtornos para as estradas e também houve um problema com a patrol, sendo necessário uma busca por outra, com isso há cerca de trinta dias a cidade tem o privilegio de ter duas maquinas trabalhando, e as principais estradas estão prontas e nos próximos dias todas serão revisadas, trazendo qualidade para transitar com segurança e rapidez. Comentou que existe uma proposta par a feira livre de que tem crescido todos os dias, embora esteja distante de ser o cartão postal é visitada por todos que passam por Capim Grosso as segundas feiras, e aqueles que trabalham e visitam o local precisam encontrar uma melhor qualidade para se transformar no Cartão Postal, que venha ser executada pelo poder municipal. Fez menção ao trabalho feito pela área de educação e a mudança nas estruturas físicas, como por exemplo nas escolas do Cândida Rosa e Severiano em Pedras Altas, que são trabalhos de honra, informando que as outras que ainda não receberam a reforma, ainda terão o privilégio de receber, “pois se melhora a educação, no futuro se tem a oportunidade de receber os frutos, e olhar para traz e ver um trabalho modificado”, concluiu. Bruno Vitor , Vice Presidente da Câmara, comentou sobre a presençana sessão do Secretario Gilene (Pote), de Urbanismo de São Jose do Jacuípe, explicando que a visão dos moradores do local, sobre a secretaria hoje é outra. Pediu urgência no Rio do Peixe, sobre a questão da banca, onde trafega o ônibus escolar, necessitando planear. Falou da necessidade de uma Audiência Pública com a Embasa, pois a empresa está criando tormento, para explicar a falta de água durante oito e até quinze dias em algumas comunidades, “não pode se admitir que a população fique a mercês de uma empresa que não está arcando com sua responsabilidade”. Falou que é de se indignar sobre os roubos que vem acontecendo, “não pode a população ficar na mão de bandido assaltada dia tamanho, eu tenho que falar para a Policia Militar e civil que nós estamos sendo assaltados, faz medo a família ir a pizzaria à noite ou ao banco”, disse. “Não é blitz na avenida que vai combater o trafego de droga e a policia tem que mostrar para que veio, com ações positivas que não estão acontecendo”, relatou. Disse ainda que as segundas feiras, se não fosse a Guarda Municipal seriam tristes. “Nessas blitz nunca foram presos bandidos e traficantes”, comentou. “Traga o Capitão Luiz Henrique e o Delegado Dr Humberto, pois eu não vou me calar”, pediu ao Presidente da Casa. Samoel Moto Taxi repudiou a forma que o Governo da Bahia está tratando os municípios. “As pessoas morrendo a míngua com vários casos acontecendo em Capim Grosso, com pessoas morrendo em hospitais e nós reféns do sistema sem poder fazer nada, e o Governo que apresentou solução com Policlinas até agora nada”, disparou. Disse que são políticas publicas que não chegam ao interior, e o Governo da Bahia inaugurou o Disep, mas não deu o mínimo de condições de trabalho para a policia, que esta mercês de situações vergonhosas, com uma viatura e dois policiais trabalhando, “obras eleitoreiras para ganhar voto e abandonar o povo, precisamos sim de uma Audiência Publica e ouvir o lado da policia, é vergonhoso ver São José e Gavião mandar uma viatura e lá ficar abandonado”, comentou. “Que política é essa, que o cidadão vota e paga seus impostos e tem que morrer a míngua no leito do hospital, antes morria nas estradas, agora morre nos hospitais, e os Deputados precisam fazer sessão especifica na Assembleia ou o povo vai morrer todo”, disse. “A praça da igreja simplesmente a grama se foi e está abandonada, cavou-se um poço e não instalou as irrigações, e a gente precisa de projetos para dar continuidade, não fazer e deixar abandonado”, continuou. O edil completou que há varias escolas reformadas, mas também varias que nem se quer uma tinta não foi passada, a exemplo da Escola da Água Nova. “ Defender a gestão é uma coisa, agora defender o errado é um absurdo, eu cobro dois médicos na UPA, reforma de uma quadra, como meu dever e obrigação e que minhas cobranças sejam aceitas como criticas construtivas”, concluiu. Antonio de Braz comentou que às vezes tem pautas apara audiências agendadas, mas que não impedem de participar de outras demandas que envolvem o município, quando estão em visita em Salvador. “É preciso cobrar do Governo da Bahia, pois está investindo muito numa área e deixando outra descoberta”, adiantou. “Não tem como levar todo o povo para a capital, Capim Grosso tem uma grandeza enorme na demanda, pois atende todos os municípios circunvizinhos e tem atendimentos que nem Jacobina tem, então é necessário cobrar do Prefeito e Vereadores, além da população, que se traga a demanda para que possamos fazer as cobranças”, pediu. Observou a necessidade de reestrutura quatro poços artesianos como Várzea Grande, Novilhas, Tigre e Várzea de Cima Brandão, que conta na documentação um dessalinizador, reclamou que a bomba era manual, sendo inadmissível. Anunciou projetos de extensão de redes para comunidades Tuyuyu , Pocinho e outros, com abertura da criação do projeto para a região do Lajedo. Informou que o Secretario Ricardo Souza já esta ciente sobre a situação da banca do Rio do Peixe e já esta resolvendo o problema. Manoel Fernandes disse que as pessoas deveriam comparecer a Câmara para verem o que os vereadores fazem, e o prefeito não trabalha se não tiver o apoio da Câmara. Comentou que os edis que aderiram a atual administração foi por conta do trabalho feito. Manoel disse que o Prefeito Sivaldo honra os compromissos e tem a preocupação de fechar suas contas no final do ano, e não vai deixar conta para o sucessor pagar. “Não tem vereador que pede mais para ajudar as pessoas do que eu”, declarou. “Qualquer pessoa que chegar em qualquer órgão da prefeitura sabe o atendimento que recebe e eu me dediquei a essas áreas de saúde. Em relação a regulação disse saber do sofrimento das pessoas quando precisam de atendimentos fora da cidade, o SUS e o Planejamento do Governo Federal era a intenção de que as pessoas tivessem melhor condições, “mas antes era pior, pois acompanhei ambulâncias para Salvador e chegando lá tinha que retornar com as pessoas,por falta de vagas e quando sai daqui já sai certo”, finalizou. Fonte: Facebook Câmara