Jovem de Capim Grosso na Bahia realiza sonho de servir ao Exército do Iraque

 Jovem de Capim Grosso na Bahia realiza sonho de servir ao Exército do Iraque

Por Agnaldo Santos e Herick Rios

É muito comum o sonho de jovens brasileiros servirem as Forças Armadas, porém, essa vontade pode ir além disso. O site br324.com entrevistou com exclusividade Antonio Henrique dos Santos Almeida, 19 anos, nascido em Capim Grosso-BA em 28 de outubro de 1999, filho dos saudosos Maria Iza dos Santos Almeida (Professora Iza) e Erivaldo Ramos de Almeida (Pé de Galinha) e que hoje faz parte do Exército Iraquiano. Henrique morou em Capim Grosso até 2018, estava deprimido com a morte dos pais e segundo ele não aguentava mais ficar no Brasil. Através das redes sociais com postagens de vídeos no Instagran começou a ser seguido por membros do exército iraquiano.  “Eu colocava a # (hastag) de um lutador muito famoso do  Iraque de MMA e UFC, mas não imaginava ganhar os seguidores, são pessoas de Kusditan, parte que divide o país, do outro lado fica a Síria, Vietnã e Bagdá”, explicou. “Entrei em contato, pois queria ir pra lá, colocava as palavras em português no google tradutor e recebia em Persa (dialeto iraquiano) e mandava pra eles que respondiam e eu traduzia”, continuou. Para chegar ao destino final vendeu uma moto, “eu tinha uma moto 300 cilindradas vendi e comprei a passagem, em um mês, já estava lá”, disse.  Pegou um voou de Salvador para São Paulo e depois para Portugal e em seguida chegou em Istambul na Turquia e por último em Erbil no Iraque, por volta de meia noite, pegou um taxi até a base militar, ligou de chamada de vídeo e um componente do exército o levou até as dependências, onde o serviram pão, café e queijo. Segundo Henrique ele é o único brasileiro servir ao exército iraquiano em sua base, e contou ao br324, que chegou a pensar em tirar a própria vida, porém hoje já tem outra forma de pensar sobre o comportamento do ser humano. Disse ainda que não quer mais voltar para o Brasil, pretendendo seguir carreira militar já que conseguiu o visto de permanência no país.  Explicou que o Iraque nada tem contra outros países, apesar dos problemas com a Turquia, por estarem mais alinhados com os Estados Unidos e França, questões de combate ao Estado Islâmico, “algumas pessoas do Iraque cansaram de sofrer atentados e o Governo se alinhou com a América e criaram o grupo PAK”.

Relatou que só existe duas bases do Estado Islâmico, acreditando que a guerra já esteja próxima do fim. Já participou de conflitos na Síria e faz parte do Partido Liberacion de kurditan que procura a liberdade das pessoas, pois segundo ele o Estado Islâmico aproveita de crianças de 12 anos de idade para transformarem em homens bombas. “O exército iraquiano acredita em Deus, porém o que motiva a guerra não é a religião e sim o petróleo”, definiu. Sua rotina social no país é sair com colegas para shoppings, parques e comer pizza, nunca tinha pego em armar antes de se alistas nas forças armadas iraquianas e quatro dias após sua chegada teve o primeiro contato, com cursos e direcionamentos já desmonta um ak47 (metralhadora) em 19 segundos, sendo seu recorde pessoal. Segundo Henrique tem apenas ele de brasileiro nessa base além de uma mulher a qual não tem aproximação, e que muitos do Brasil vão para a França, país que pretende morar após o término do projeto.  “Sempre foi isso que eu quis e a pessoa que quer alguma coisa deve correr atrás, não ligar para críticas de outras pessoas assim o sonho pode ser realizado, “não se misturando com amizades ruins e ouvir muito os seus pais”, finalizou.

Texto e fotos  arquivo, BR 324

As  informações  são  do  br324

Da  redação  capimgrosso.com.br