Maratonista Olímpica está em Capim Grosso para a Corrida Otaviano Ferreira e conta sua história de vida

 Maratonista Olímpica está em Capim Grosso para a Corrida Otaviano Ferreira e conta sua história de vida

Por Agnaldo Santos e Herick Rios

O site br324.com.br esteve com exclusividade com a Maratonista Olímpica de 2016, Graciete Moreira dos Santos, que está em Capim Grosso, para a corrida Otaviano Ferreira dos Santos, em comemoração aos 34 anos de emancipação politica do municipio.  Agora com 38 anos vem a Capim Grosso pela 5ª vez, mas antes, Graciete passou por momentos de gloria e também de dificuldades. Natural de Pé de Serra, quando ainda era povoado de Serra Preta na Bahia, foi embora aos sete anos de idade com toda a família até Feira de Santana, em busca de dias melhores, após uma terrível seca assolar a região, chegando a faltar comida na mesa. Aos 26 anos, sofreu alguns transtornos como bulimia e anorexia que a levou à depressão, encontrando saída no esporte. Segundo Graciete, seus hormônios ficaram como os de crianças e os médicos recomendaram a prática esportiva, foi quando ela começou a fazer caminhadas e na volta imaginava a demora então corria para chegar mais rápido.  Membros da ASCOF (Associação de Corredores de Feira de Santana), a observaram e a convidaram para fazer parte do grupo. Com a melhora na saúde e com a autoestima recuperada treinou bastante e subiu no pódio a primeira vez, transbordando de alegria e choro, além de uma quantia de dez reais que recebeu. “Quem tem transtorno emocional não fica 100% curado”, disse.  Conheceu seu treinador Domingos Alves que hoje é seu esposo e teve uma importância fundamental para livrá-la da depressão cuidando até mesmo de sua alimentação, controlando até o horário de ir ao banheiro para que não praticasse a bulimia. Até que chegou em 5º lugar no geral. Em 2009 concorrendo com sua faixa etária de idade ficou em 2º lugar, assim, foi abrindo o leque. Em 2011, em Londrina no Paraná chegou em primeiro lugar nos 42 km. Continuou treinando. Em 2015, fez muitas provas, “foi meu ano”, contou. Na maratona internacional de São Paulo ficou em 4º lugar no geral e primeira entre as brasileiras, com 2h46min. Na Maratona Internacional do Rio De Janeiro, ficou em 3º lugar no geral e 1ª colocada entre as brasileiras, fazendo em 2h44min. “Foi ai que falaram com meu esposo para que eu fosse treinar o Índice Olímpico, que são as três melhores marcas do Brasil, isso iria depender do clima favorecer, encontrar um percurso plano e também a altimetria”, explicou. Antes, treinou para a maratona de Recife, “que é muito quente”, ganhando a prova.  Ainda ganhou em dezembro do mesmo ano a de Salvador. Em maio de 2016 ela e seu esposo treinador, foram para Servilha na Espanha para tentar o Índice Olímpico e ficou em 3º no Ranking Internacional. Foi para as Olimpíadas do Rio2016 e sentiu uma contusão, com muito esforço completou a prova. Graciete informou que passou por várias lesões após esse período, voltando a competir em 2017.  Após as cobranças do pai, Graciete cursa o 5º semestre de Faculdade de Educação Física. Já participou em cerca de 300 competições na carreira entre as quais ganhou quatro vezes em Capim Grosso, onde diz ser  a sua segunda moradia, sempre muito bem acolhida, hospedada na casa da família do também corredor Marllon Kyd, que já alcançou o 85ª colocação na São Silvestre, saindo no meio do povão. Essa história o br324 contará em breve para seus leitores.

Texto  e foto: br324  Por: Herick Rios e Agnaldo Santos

Com  informações  br324 com.br

Da  redação  capimgrosso.com.br